sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Peru - Trilha Inca e Cordilheira Blanca (parte 1/3)

Fiquei livre no início de julho para viajar pelos Andes peruanos. 
O voo contava com conexões na Bolívia. Inúmeros mineiros e rondonienses desembarcaram na primeira conexão, em Santa Cruz De La Sierra, a fim de seguirem em outro voo ao México. Não pareciam turistas, embora jurassem o contrário. Deixei as dúvidas de lado quando um deles afirmou ser de Governador Valadares. Seriam transportados para o México e depois largados à própria sorte para seguir o resto da empreitada por terra. Cruzariam ilegalmente a fronteira dos Estados Unidos onde seriam escravizados como mão de obra barata. O desespero não os deixava enxergar em que pântano iriam se atolar.
Aterrissagem à noite no frio seco de La Paz. Sopa e cama.
O cansaço pelos dois voos, a altitude da cidade, a expectativa, impediram que a curta noite fosse bem aproveitada. Antes de clarear, o café da manhã reforçado. E direto ao aeroporto de La Paz a fim de cumprir a última etapa aérea. O voo valorizou-se pelas imagens das águas azuladas do lago Titicaca e pela cordilheira dos Andes.
Em Cuzco, voltas de reconhecimento pelas ruas cheias de gente. À tarde visita à catedral, às ruínas incas no centro e nas colinas próximas. Cuzco impressionava pela arquitetura barroca, especialmente na parte antiga da cidade, com becos e ladeiras em curva, exalando charme e história. Fazia dia claro e brilhante, proporcionando entardecer de diversas cores. A temperatura diurna, sob o efeito do sol, agradava e não exigia roupas grossas.
Durante o divertido jantar, muito pisco peruano, risadas, boa e farta comida.

Dia longo avistando picos nevados durante o acesso pelas estradas sinuosas. Em todas as paradas aglomeravam-se vendedores de bugigangas, crianças, mas nada ostensivo ou chocante. O melhor do dia, disparado, foi o vilarejo de Chincheros, antigo e construído sobre base inca. A vida pulsava no mercado onde se vendiam e se trocavam alimentos entre os agricultores. Interessante o processo de desidratação de batatas, que permaneciam enterradas por anos antes de serem consumidas. Ollantaytambo e Pisac incluíam ruínas incas posicionadas em encostas íngremes, dispostas em terraços nivelados. Os contatos perfeitos entre os blocos rochosos forneciam ideia do que foi a avançada engenharia inca. Mesmo nas dobras, quinas e curvas, admirávamos as técnicas refinadas. O guia local comparava, muito apropriadamente, as construções perfeitas dos Incas com as correspondentes mal construídas pelos invasores espanhóis. Ironizava que as primeiras foram construídas pelos Incas e as segundas pelos Incapazes.
Cruzamos o rio Urubamba, um dos braços formadores dos rios Solimões e Amazonas.
À noite reunião para traçar os planos logísticos da trilha e desfazer as últimas dúvidas. Durante a madrugada, senti o quarto tremer. Não durou mais que cinco segundos. A cama balançou, os móveis rangeram, mas nada caiu ou quebrou. Demorei a relaxar e a dormir novamente. Era fato tão normal que ninguém havia notado. Apenas uma funcionária do hotel lembrou-se do ocorrido pela manhã, mas indiferente e somente depois de eu insistir muito.
Partida ao primeiro dos quatros dias da famosa Trilha Inca, após lanche reforçado sobre o rio Urubamba.
O começo do caminho compunha-se de poucas subidas e descidas entre longos trechos planos. Predominavam vales estreitos e profundos, rios encachoeirados, raros picos nevados ao longe. O mais atraente era o Verônica, cônico, coberto de neve. No fundo do vale, uma grande vila Inca em ruínas. Turistas distribuídos em grupos pequenos e médios se espalhavam pela trilha. Escurecia ao atingir o primeiro ponto de acampamento, a 2.850 metros de altitude, na beira do rio com corredeiras, em meio à calma e ao silêncio, isolados dos demais grupos. Alguns jogavam baralho, outros se deitavam sobre o isolante para apreciar o céu estrelado e a lua quarto crescente. A temperatura oscilava ao redor de 13 graus. Com a malha, tornava o ambiente bastante confortável.
Não havia esquema de barracas-banheiro e nem a utilização de pás para as necessidades fisiológicas. Sugeri o método adotado por muitos trilheiros no Brasil, segundo o qual tudo era enterrado, mantendo a natureza mais intacta possível. Enquanto isso, as pequenas trilhas laterais entupiam-se de merda e transformavam a região em campos minados. A Trilha Inca não merecia ser tão maltratada.
Na barraca-refeitório, ampla e alta, dotada de mesa e demais utensílios necessários, a equipe nos serviu pipoca e chá como aperitivos. Durante o jantar saboroso e servido em várias etapas, a colega de meia idade apelou, ameaçou chorar, alegando estar a perigo e a fim do guia, do cozinheiro, de qualquer homem. Falava com voz embargada e deixava o ambiente pesado, amargo, triste. Todos se levantaram e se dirigiram às barracas.

Dormi bem e bastante dentro do saco de dormir para me proteger da noite fria. Levantei apenas uma vez para esvaziar a bexiga.
Foi o dia de maior altitude, o mais longo e cansativo de todo o percurso, mas muito excitante. A trilha consistiu, na maior parte, em longa subida, através de degraus de pedra, com picos nevados às costas, bosques sombreados, suaves quedas d’água, altas escarpas rochosas. Bandeirolas avermelhadas nas poucas casas na beira da trilha indicavam venda do fermentado alcoólico popular na região. No início da subida cruzamos com casal europeu e mais oito carregadores que caminhavam em sentido contrário. O casal não suportara o esforço físico ou sofrera mal estar da altitude. O semblante pesado e as expressões de mau humor denunciavam o clima de fim de festa.
Parada para almoçar ainda na subida, perto dos 3.800 metros de altitude. O apetite não poderia ser maior diante do visual deslumbrante do vale ascendente. Os picos nevados se elevavam na encosta do outro lado. O almoço incluía sopa, prato quente com arroz, legumes, feijão branco, frango desfiado. Abacate com limão e açúcar coroou na sobremesa. Chá de hortelã ajudou a hidratar e digerir.
A subida até o passo a 4.200 metros de altitude massacrou pela trilha íngreme, degraus altos e princípios de falta de ar. Todos chiaram, diminuíram o ritmo e sentiram os efeitos, ainda que embrionários, da altitude. Atingi o topo com a sensação mista de cansaço e satisfação pela conquista. A visão do outro lado do passo, contra a luz do sol, chamava atenção pelas montanhas escarpadas com cristas dentadas. Descansamos, contemplamos, sorrimos à toa.
Descemos a encosta por trilhas em ziguezague. Às costas, montanhas negras, o capim esverdeado, o céu muito azul e a lua pela metade no meio do céu. Mais à tarde a temperatura caiu em decorrência do surgimento de nuvens cinzentas. Atingimos o acampamento, a 3.600 metros de altitude, instalado em fundo de vale atulhado de barracas. Os banheiros públicos com água encanada logo se tornavam imundos pelo mau uso dos turistas. Os chuveiros forneciam banhos de água gelada. Acionei os lenços umedecidos para as partes mais graves do corpo. Lavei o rosto e braços nas torneiras e me considerei limpo.
Antes do jantar, a tradicional pipoca com chá. Depois, sopa de macarrão, carne ensopada com arroz e batatas, regados a vinho tinto encorpado. Sagu amarelado encerrou o banquete delicioso. O sono bateu em cheio e a maioria se enfiou cedo nas barracas.
Não esfriou tanto durante a noite, mas a umidade do fundo do vale acentuava a sensação térmica das baixas temperaturas. O piso do chão sob a barraca era inclinado e o tecido do saco de dormir não impediu os escorregões. Inventava posições e maneiras de frear e dormir ao mesmo tempo. Mas deu para descansar e adormecer. A colega gaúcha passou mal durante a noite e vomitou muito.

O café da manhã foi servido mais tarde do que costume, plenamente compensado por pães, manteiga e omeletes.
Deixamos o acampamento congestionado de turistas. A subida nos esperava logo de cara e degraus em pedra nos levaram à primeira ruína Inca quase no final da encosta, construção usada como ponto de observação e controle dos fiscais do parque nacional. Avistamos a trilha percorrida no dia anterior, desde o passo até o vale com neve no topo. Encontramos casal de alemães que mal parava em pé. Sem pedir, imediatamente passaram as mochilas para o coitado do carregador. Inexpressivos, descorados e de olhos esbugalhados, nem falavam de tanto esgotamento. Mais à frente, um meigo casal de chineses homossexuais masculinos fazia doces poses para as fotos. Os rostos colados, os olhares lascivos, os lábios em bico, douravam aqueles momentos de amor.
Do segundo passo da travessia, a 3.900 metros de altitude, se descortinavam os vales, montanhas, picos nevados, trilhas percorridas anteriormente. À frente, outras cadeias montanhosas com cumes cobertos de neve. Após o passo, longa descida por escadarias em pedras, muitas recém-construídas. À direita surgiu lagoa alongada com musgos e vegetação mais desenvolvida ao redor. Era a Amazônia peruana. Não fazia calor exagerado, mas mutucas sobrevoavam ávidas por sangue novo e indicavam que mudáramos de ecossistema.
Deparamos com imponente ruína, usada anteriormente como albergue para os caminhantes, situada em posição privilegiada, incluindo diversos cômodos, dispostos em quase labirinto. Dali se via outra ruína, menor, mais abaixo, ocupada por poucas barracas. O cardápio do almoço ao ar livre consistiu de sopa de sêmola com legumes e bastante tempero, coxas de frango com arroz e batata, sobremesa na base de frutas, iogurte e granola. Sem citar o onipresente chá de coca.
Mais casos de caminhantes passando mal apareciam durante a trilha, pela altitude, desgaste físico, sedentarismo, problemas emocionais, entre outras causas.
Trilhas calçadas predominaram na parte da tarde. O relevo aplainado oferecia de um lado, vegetação abundante, de outro, precipícios, escarpas, vales estreitos, as águas do sinuoso rio Urubamba. Atingimos o acampamento, a 3.600 metros de altitude, bem cedo. As barracas se dispuseram ao longo da crista estreita. O visual de diversos ângulos maravilhava os olhos. Picos nevados parcialmente cobertos pelas nuvens, vales profundos, outras cristas com mais barracas. Pequeno pássaro cinza caminhava despreocupadamente na frente da barraca. Não me notou, nem tampouco o terrível odor das botas e meias das quais eu acabara de me livrar.

A noite trouxe a lua quase cheia. O reflexo nas montanhas nevadas fornecia efeito luminoso de cair o queixo. O último jantar na trilha reservou muita comida. Vinho tinto não poderia faltar e ajudou a esquentar ainda mais os ânimos. Risadas e mais risadas diante do bom humor do guia.
Acordei antes do amanhecer. Aproveitei para subir o morro atrás do acampamento, assistir ao nascer do sol, contemplar a paisagem de 360 graus. O tempo claro valorizava as montanhas nevadas, como a Salkantay, o vale na direção de Machu Pichu, as escarpas rochosas e esverdeadas.
Após o último café da manhã da travessia, confraternização com os peruanos da equipe. A caminhada desceu acentuada por degraus de pedra, presenteando com imagens ao redor dos vales do rio Urubamba e cercanias de Machu Pichu. Ruínas pequenas e grandes se alternavam pelo caminho. Nada de pressa. Havia tempo suficiente para saborear com os olhares. Parada no último vilarejo, Wynawayna, evidenciando proximidades da chamada civilização. Vendinhas cobravam fortunas por água e comida. Sem fome ou sede desesperadora, não alimentei a exploração. Muita gente, muitos turistas, muita sujeira pelos becos. Era a civilização mesmo. O calor nas baixas altitudes dava o ar da graça, ao lado de vegetação exuberante, verde e densa. Até borrachudos apareceram avisando da aproximação de zonas tropicais.
Atingimos a Porta do Sol no meio da tarde. Ao cruzá-la, toda a cidade inca de Machu Pichu se exibiu abaixo. O Wayna Pichu se erguia ao lado de montanhas esverdeadas. Sentamos, relaxamos, rimos, beliscamos comidinhas, nos deixamos envolver pela pintura à nossa frente. Os quatro dias da Trilha Inca se encerravam com perfeição. Jamais contemplara Machu Pichu daquele ângulo ou a conquistara daquela maneira. Em 1983 eu viera de trem de Cuzco e passara apenas parte do dia em explorações pelos interiores das ruínas.
Crianças em excursão escolar se aglomeraram na Porta do Sol. Comeram, pularam, gritaram e seguiram ao miolo de Machu Pichu. Ao entardecer, embarque no último ônibus descendo a Águas Calientes. Circulamos pelas ruínas e becos, absorvendo a energia local. Encontramos outros brasileiros ao entardecer.
Perdêramos a conta de quantas vezes disséramos no gracias para os vendedores de bugigangas, pedintes, agentes de turismo. Desde o primeiro dia em Cuzco, era no gracias de manhã, no gracias de tarde, no gracias de noite. A expressão se tornou motivo de brincadeiras e gozações durante a trilha. Eu e dois colegas, a três vozes, entoamos o no gracias ainda nas escadas do ônibus, de braços estendidos, tão logo a multidão nos abordou. Até os vendedores riram do desempenho. Por encanto, mais ninguém nos assediou. Apenas nos olhavam e sorriam.
continua...

37 comentários:


  1. Li a Trilha Inca senti que é imperdível! Chegar a Machu Picchu pelo Portal do Sol é mágico, uma experiência única!Apesar de todas as dificuldades da trilha, com sobe e desce, a paz e a beleza mágica devem ter sido para você uma recompensa indescritível. Nesses quatro dias que conviveu com turistas de outros países, guias e com a “energia” do povo Inca, vivenciou a história e teve a oportunidade de se conhecer um pouco mais. Foi?

    Continuo no Peru...até.

    ResponderExcluir
  2. Oi Ivete!
    Claro que foi uma baita experiência. Aliás, nessas viagens em que nos deparamos com paisagens belíssimas e culturas fascinantes, mas sobretudo diferentes, é que nos sentimos realizados. Aprendemos e apreendemos. Voltamos mais ricos sob todos os pontos de vista. Por isso que uma viagem bem viajada é o melhor "investimento" que existe. Sempre ganhamos rsss.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Cara, parece ser realmente interessante! Você pode me informar o contato do guia/agência com quem você fez a trilha? O que exatamente estava incluso?

    ResponderExcluir
  4. Olá, obrigado pelo seu comentário.
    Tudo estava incluído na trilha, guia local, barracas, alimentação, etc.
    Lembre que há vários anos a Trilha Inca só pode ser feita de maneira organizada, com guia e operação local, número limitado de pessoas e deve ser reservada com bastante antecedência.
    Comente sempre!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ola !!
      boa noite!!
      obrigada por compartilhar a sua experiencia, e inspirar com ela

      voce poderia passar o contato do guia/agencia que te 'guiou' nesta experiencia ?

      Obrigada
      giu_albuquerque@hotmail.com

      Excluir
    2. Oi Giulianna,
      Mais uma vez, obrigado pelo contato.
      Passarei as informações no seu endereço eletrônico.
      Comente sempre.

      Excluir
    3. Olá! Fascinante... Estou querendo muito ir para Machu Pichu, porém gostaria de saber qual agência/guia você utilizou/contrtaou os serviços?
      Segue meu contato: sousa.victor.ti@gmail.com

      Obrigado!

      Att,

      Victor Hugo

      Excluir
    4. Vc poderia me escrever o contato para a trilha?

      grata

      Excluir
    5. Oi Tathiana, me passe seu endereço eletrônico que eu lhe enviarei...

      Excluir
    6. Olá! Muito inspirador teu relato! Também gostaria de ter o contato do guia/agência que vc contratou. Estou pensando em fazer a trilha em outubro e gostaria de saber a sua opinião sobre se é seguro para uma mulher sozinha fazer esse trajeto. Meu e-mail é emikm1@hotmail.com. Obrigada!
      Emília

      Excluir
    7. Emília,
      Já passei as informações para seu correio eletrônico.
      Qualquer coisa, me avise.
      Obrigado.

      Excluir
    8. Olá, gostaria de receber as informações sobre a agência que vc contratou! Agredeço! tamiokumoto@gmail.com

      Excluir
    9. Olá, também gostaria de receber as informações sobre a agência! Agradeço! tamiokumoto@gmail.com

      Excluir
    10. Oi Tamily, obrigado pela visita.
      Vou responder no seu correio eletrônico.
      Comente sempre.

      Excluir
  5. Olá Victor Hugo,
    Obrigado pela visita.
    Já respondi sua pergunta pelo correio eletrônico.
    Comente sempre!

    ResponderExcluir
  6. Oi. O que vc quer dizer com "escravizados como mão de obra barata"

    ResponderExcluir
  7. Olá Gi, obrigado pela visita e pelo comentário.
    Quis dizer exatamente o que escrevi. É o que ocorre com a maioria dos imigrantes ilegais que entram naquele país, independente da origem. O regime opressor e racista que opera por lá não lhes dá outras alternativas.
    Comente sempre.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  8. Concordo não Viajante, se eu tivesse a coragem deles também tentaria. Não é muito diferente daqui.

    ResponderExcluir
  9. Gi, espero de coração que você não precise disso. Abraços!

    ResponderExcluir
  10. Olá, gostaria de receber o contato da agência que você contratou para fazer a trilha, obrigada. apvalero@gmail.com

    ResponderExcluir
  11. Oi Ana, obrigado pela visita.
    Já respondi em seu correio eletrônico.
    Além da Trilha Inca, relatei no blog diversas outras trilhas pelo Brasil e em outros países.
    Fique à vontade de pesquisar, comentar, divulgar.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  12. Olá, Viajante! Sensacional seu relato. Estou planejando um mochilão e penso em incluir a Trilha Inca no meu roteiro. Você poderia me passar as informações sobre a agência que você contratou e outras informações que possam ser importantes?
    Depois de chegar no Machu Pichu dá tempo de explorar o lugar antes de pegar o ônibus de volta? jeh.chavez@gmail.com
    Agradeço!

    ResponderExcluir
  13. Oi Jessica, obrigado pela visita e pelos comentários.
    Provavelmente você chegará no meio da tarde do quarto dia de caminhada. Descerá a Aguas Calientes de ônibus antes do anoitecer. Mas terá o dia seguinte ou mais dias para explorar as ruínas com calma.
    Enviarei os dados para seu endereço eletrônico.
    Abraços e comente sempre.

    ResponderExcluir
  14. Olá, gostaria de ter o contato do guia/agência que você contratou.
    Meu e-mail é nathaliachristian@hotmail.com.
    Obrigada!

    ResponderExcluir
  15. Oi Nathalia,
    Enviarei a resposta para seu endereço eletrônico.
    Comente sempre!

    ResponderExcluir
  16. Ola, achei fascinante a sua jornada, pode compartilhar os dados do guia que você agendou? Diego@dpinha.com.br

    ResponderExcluir
  17. Olá Diego, enviarei os dados para seu endereço eletrônico.
    Enquanto isso, dê uma olhada no blog.
    Nele, entre outros temas, memórias, reflexões e fotos de minhas viagens pelos interiores do Brasil e de outros países da América, África, Europa e Ásia, contendo questionamentos e análises sociais e ambientais.
    Fique à vontade para pesquisar, ler, comentar, compartilhar. Boas leituras!!!
    E comente sempre...

    ResponderExcluir
  18. Boa tarde, posso pedir-lhe que me envie o contacto da agência? o meu mail é: susanaandre@sic.impresa.pt
    Obrigada
    Susana

    ResponderExcluir
  19. Olá
    Já respondi em seu correio eletrónico.
    Aproveite para pesquisar no blog relatos de diversas viagens pelos interiores do Brasil e outros países da América, África, Europa, Ásia. Fique à vontade e comente...
    Abraços

    ResponderExcluir
  20. Olá,
    gostaria de obter informações sobre a operadora que utilizara para a Trilha.

    Também gostaria de saber se a trilha contempla os principais pontos de Machu Picchu (HuaynaPichu, por exemplo)?

    tmagnus.rj@gmail.com

    Cordialmente,
    Thiago Maagnus

    ResponderExcluir
  21. Oi Thiago, obrigado pela visita.
    Enviarei os dados da agência para seu endereço eletrônico.
    A trilha termina, no quarto dia, na Porta do Sol, entrada superior de Machu Pichu. Quando fui, tive o resto dessa tarde e todo o dia seguinte para explorar as ruínas. Tempo de sobra.
    Comente sempre, esse e outros relatos do blog, referentes ao Brasil e a outros paises.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  22. Olá,
    Gostaria de saber sobre a agência que faz a trilha.

    saggi_br@hotmail.com
    Abraços,
    Enrico

    ResponderExcluir
  23. Olá Enrico,

    Enviei a informação ao seu endereço eletrônico.
    Aproveite para pesquisar outros destinos aqui no blog, dos interiores do Brasil e de outros países.
    Abraços e comente sempre.

    ResponderExcluir
  24. Olá! Excelente relato! Eu gostaria muito de saber qual agência vc contratou! susouza_1@hotmail.com
    Vou em abril

    Grata!

    ResponderExcluir
  25. Bom dia, Susana.
    Obrigado pela visita. Já encaminhei a resposta ao seu endereço eletrônico.
    Leia e comente os demais relatos do blog.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  26. Olá, boa noite! Muito bacana esse relato!!! Por favor, poderia passar os dados da agência que você contratou? Meu e-mail é evandroh@hotmail.com

    Muito Obrigado!!!

    ResponderExcluir
  27. Oi Evandro,
    Obrigado pela visita e pelos comentários.
    Já respondi no seu correio eletrônico.
    Leia e comente sempre os relatos desse blog.
    Abraços.

    ResponderExcluir